Salvador, 18 de Novembro de 2017 - Tel: (71) 2104-1959

Newsletter

Cadastre seu email para receber novidade por email.

Nome:

Email:

Fotos e Vídeos



Facebook

Noticias

Líder do PT não descarta retirada de emenda que poderia beneficiar Lula

Postado dia 18 de Julho de 2017 às 11h41m

Após as controvérsias geradas nos últimos dias, o líder petista afirmou que a alteração não é surpresa para os integrantes da comissão de reforma política, mas que o partido concorda com a retirada do trecho caso não haja consenso. Carlos Zarattini explicou que a intenção do relator era reestruturar o calendário eleitoral para que as candidaturas sejam avaliadas previamente, evitando casos como o de políticos que são eleitos e, posteriormente, afastados de seus mandatos.
 
“Isso vale para todos os candidatos. Não é uma coisa para o Lula. E teve a concordância de todos os partidos. Ele conversou com todo mundo sobre isso. Agora, para nós do PT, não é uma questão essencial, fundamental. Se não houver concordância dos outros, nós simplesmente vamos abandonar isso aí. Para nós, tem outros pontos muito mais importantes que esse”, disse Zarattini à Agência Brasil. A reportagem procurou o relator Vicente Cândido para comentar a polêmica, mas o deputado não estava disponível para entrevistas nesta segunda-feira.
 
Prisão de candidatos
 
Atualmente, pelo Código Eleitoral, os candidatos não podem ser detidos no período que compreende 15 dias antes da eleição, salvo em casos de delitos em flagrante. De acordo com o relatório de Cândido, o benefício valeria desde o momento em que os políticos obterem o chamado “Certificado de Habilitação Prévia”. Instituído pelo relator, o certificado pode ser emitido desde o dia 1º de fevereiro e validado até o fim de abril do ano eleitoral , o que proibiria as autoridades de prender candidatos de cinco a oito meses antes das eleições.
 
Como a mudança pode, supostamente, beneficiar o ex-presidente Lula, deputados governistas criticaram a proposta. A condenação prevê que Lula fique inelegível por 19 anos e, se confirmada em segunda instância, o inabilita politicamente, conforme têm criticado seus aliados políticos.
 
“Eu não tenho dúvida de que é blindagem do e x-presidente. Essa propositura é para blindar criminosos, é lamentável, ao invés da democracia, é para blindar criminosos a disputar a eleição”, disse nesta segunda-feira (17) o deputado Rubens Bueno (PPS-PR). Já Zarattini sustenta que, se condenado em segunda instância, Lula não poderá ser candidato “mesmo com essa emenda”.
 
Balão de ensaio
 
Segundo o deputado Esperidião Amin (PP-SC), integrante da comissão, a proposta é um “balão de ensaio” que não vai prosperar devido à pressão da opinião pública e à sua “falta de fundamento”. “Não tem nenhum nexo, nenhuma ligação, justificativa para dar um prazo de segurança ao candidato antes de existir a sua candidatura”, criticou.
 
Repetindo que as alterações foram “acordadas com outros partidos”, o líder do PT disse que, se os parlamentares contrários à medida prometem trabalhar contra o texto, não terão trabalho nenhum. "Se não houver consenso, nós do PT somos favoráveis a retirar. Isso não é para nós, é para todo mundo. Se todo mundo não está de acordo, não tem problema”, declarou.

Temer marca viagem ao Nordeste para apaziguar PSDB

Postado dia 18 de Julho de 2017 às 11h36m

O gesto do Planalto tem por objetivo pacificar a relação com o PSDB e garantir os votos que ainda têm do partido, mesmo com as dissidências, para barrar no plenário a denúncia de corrupção passiva contra Temer.
 
Ainda segundo o Estadão, em caráter reservado, um membro da Executiva do PSDB contou que Temer já procurou os quatro ministros da sigla e garantiu que eles não perderão seus cargos. Segundo essa mesma fonte ouvida pela reportagem, Temer pediu, porém, engajamento no movimento para "virar" votos na bancada.
 
O Planalto está otimista em relação aos tucanos dos ministérios, que dizem acreditar que poderão conseguir mais votos contrários ao prosseguimento da denúncia do que está sendo anunciado.

Lula inicia caravana pelo Nordeste em Salvador dia 16 de agosto

Postado dia 18 de Julho de 2017 às 11h33m

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já definiu a data que inicia sua caravana pelo Nordeste. Dia 16 de agosto o petista começa o roadshow em Salvador e depois segue para Sergipe. Pré-candidato à presidência da República para as eleições de 2018, Lula percorrerá poucas capitais e dará prioridade ao sertão. Segundo a coluna Painel, da Folha de São Paulo, o petista inicia a caravana em um ônibus e ficará 20 dias na estrada. É a primeira caravana oficial de Lula após a condenação do juiz Sérgio Moro pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro envolvendo o triplex do Guarujá. Moro, no entanto, não ordenou a prisão do ex-presidente e a decisão cabe recurso.

300ª viagem: Rui reúne 19 deputados e 27 prefeitos

Postado dia 18 de Julho de 2017 às 11h19m

A 300ª viagem de Rui foi alcançada em pouco mais de 900 dias de governo, com uma média de uma viagem ao interior a cada três dias de trabalho. Durante este período, o governador já visitou 162 cidades baianas, entregou ou visitou 238 estabelecimentos escolares e visitou mais de 120 unidades de saúde/hospitais. 

Os deputados federais e estaduais da base aliada que participaram do evento foram: Valmir Assunção, Afonso Florence, Marcos Medrado e Robinson Almeida. Mais 15 deputados estaduais também prestigiaram o evento. São eles: Zé Neto, Alex da Piatã, Carlos Rodrigues, Fátima Nunes, Bira Coroa, Gika Lopes, Jurandir Oliveira, Marcelo Nilo, Roberto Carlos, Joseildo Ramos, Ângelo Almeida, Maria Del Carmen, Neuza Carvalho, Rosemberg Pinto e Zé Raimundo.

Já os 27 prefeitos da região que participaram da solenidade: Candinho, de Caldeirão Grande; Lydia, de Capim Grosso; Gilberto Matos, de Caem; Liu Andrade, de Aurelino Leal; Adriano, de Nova Fátima; Raulzinho, de Gavião; Enilson, de Campo Alegre de Lourdes; Marcos Adriano, de Valente; Sergio, de Tucano; Nininho Goes, de Quijingue; Jai, de Barrocas; Silva Neto, de Araci; Celso, de Biritinga; Assis, de Conceição de Coité; Carlos Santiago, de Ichu; Cecília, de Itiúba; Dival Pinheiro, de Lamarão; Vando, de Monte Santo; Erivaldo, de Nordestina; Ricardo Maia, de Ribeira do Pombal; André, Queimadas; Erismar, de São José do Jacuípe;  Jobope, de Mairi; Professor Jailson, de Santa Bárbara; Vonte, de Retirolândia; Zé Filho, de Riachão do Jacuípe; e Cassinho, de Nova Soure.  

Secretários também acompanharam o governador. Foram eles: da Ciência, Tecnologia e Inovação, José Vivaldo Mendonça; do Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner; da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, Carlos Martins; da Agricultura, Vitor Bonfim; da Infraestrutura, Marcus Cavalcanti; da Saúde, Fábio Vilas-Boas; do Turismo, José Alves; de Políticas para as Mulheres, Julieta Palmeira; de Promoção da Igualdade Racial, Fábia Reis; da Educação, Walter Pinheiro; do Meio Ambiente, Geraldo Reis; do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Olívia Santana; de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte; de Relações Institucionais, Josias Gomes; de Desenvolvimento Urbano, Fernando Torres; além do presidente da Bahiatursa, Diogo Medrado e do senador Otto Alencar.

Eduardo Cunha chega para prestar depoimento na Operação Cui Bono, em Curitiba

Postado dia 14 de Julho de 2017 às 12h42m

Cunha foi levado do Complexo Médico-Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, onde cumpre pena, para a Superintendência da PF.

O depoimento estava marcado para começar às 11h. Ele deve depor para o delegado Maurício Moscardi, de Curitiba, mas as perguntas vieram da PF de Brasília.

É no Distrito Federal que ocorrem as investigações que apuram o pagamento de propina em troca da liberação de empréstimos na Caixa Econômica. Além de Cunha, também são investigados o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o doleiro Lúcio Funaro.

O advogado de Cunha, Délio Lins e Silva Júnior, chegou junto com a mulher do ex-deputado, Cláudia Cruz.

Sexta-feira é dia de visitas no CMP. Como Cunha tinha o compromisso na PF, a visita foi transferida. Depois do depoimento, Cunha deve ser levado de volta ao Complexo Médico-Penal.

 

'Prévia' do PIB do BC mostra contração de 0,51% em maio

Postado dia 14 de Julho de 2017 às 12h21m

A economia brasileira voltou a registrar tombo em maio deste ano, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (14) pelo Banco Central.

O chamado Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br – criado para tentar antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que é divulgado pelo IBGE – teve queda de 0,51% em maio, na comparação com abril. O resultado foi calculado após ajuste sazonal (uma espécie de "compensação" para comparar períodos diferentes).

Prévia do PIB em 2017
Variação frente ao mês anterior com ajuste sazonal, em %
0,510,511,351,35-0,46-0,460,150,15-0,51-0,51JaneiroFevereiroMarçoAbrilMaio-1-0,500,511,5
Fonte: BC

A queda do IBC-Br em maio acontece após um crescimento no mês anterior. Neste ano, o indicador registrou expansão em janeiro (+0,51%), fevereiro (+1,35%) e abril (+0,15%). Entretanto, recuou em março (-0,46%) e maio deste ano, quando caiu 0,51%.

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2016, o PIB teve uma retração de 3,6%, mas, nos três primeiros meses deste ano, registrou alta de 1%.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, informou recentemente que o governo vai manter, para 2017, a estimativa de uma expansão de 0,5% para o PIB brasileiro. Para o mercado financeiro, porém, a expectativa é de uma alta menor, da ordem de 0,34% para a economia neste ano.

Parcial do ano e doze meses

Contra maio de 2016, porém, o IBC-Br registrou alta de 1,4%, informou o Banco Central. Neste caso, a comparação foi feita sem ajuste sazonal – pois considera períodos iguais. Com ajuste sazonal, o crescimento do nível de atividade foi de 0,04%.

 

Os números do BC mostram também que, nos cinco primeiros meses deste ano, o indicador do nível de atividade registrou um tombo de 0,05%, também sem o ajuste. Com o ajuste, a retração é de 0,10%.

Já no acumulado em 12 meses até maio, a prévia do PIB (indicador dessazonalizado) do Banco Central registrou contração de 2,22% (sem ajuste, a queda é de 2,23%).

IBC-Br x PIB

Embora o cálculo seja um pouco diferente, o IBC-Br foi criado para tentar ser um "antecedente" do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os resultados do IBC-Br, porém, nem sempre mostraram proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE.

Definição dos juros

O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, a taxa Selic está em 10,25% ao ano e a estimativa do mercado é de que recue para 8,25% ao ano no fim de 2017.

Pelo sistema que vigora no Brasil, o BC precisa ajustar os juros para atingir as metas preestabelecidas de inflação. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas ficam dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis.

Para 2017 e 2018, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Desse modo, o IPCA, considerado a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 3% e 6%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

 

Oposição prevê sangria do governo Temer até votação da denúncia

Postado dia 14 de Julho de 2017 às 12h10m

Por outro lado, postergar a data daria brechas para Temer sofrer novas delações e acirrar a votação na Câmara. 
 
De acordo com o jornal O Globo, o deputado José Guimarães (PT) é um dos que acredita que a trégua de duas semanas servirá como uma sangria para a base aliada. Enquanto isso, Carlos Zaratini (PT) defende que o intervalo será usado para que os parlamentares trocados na CCJ sejam pressionados por sua base.

Lula condenado a 9 anos e 6 meses por corrupção

Postado dia 14 de Julho de 2017 às 10h17m

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado nesta quarta-feira a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, uma sentença da qual poderá recorrer em liberdade, mas que ameaça uma eventual candidatura às eleições de 2018.

Os advogados do ex-presidente informaram logo após ao anúncio da sentença que recorrerão "em todas as cortes imparciais, incluindo as Nações Unidas".

Lula, 71 anos, foi acusado de ter recebido um apartamento triplex no Guarujá da construtora OAS em troca de sua influência para obter contratos na Petrobras, e do pagamento das custas por parte da mesma empresa do armazenamento de seus bens.

A sentença foi ditada pelo juiz Sérgio Moro, encarregado da Operação Lava Jato, que determinou o confisco do imóvel e assinalou que Lula foi o destinatário 3,7 milhões de reais de forma ilícita.

"Entre os crimes de corrupção e de lavagem, há concurso material, motivo pelo qual as penas somadas chegam a nove anos e seis meses de reclusão", determinou Moro.

"Entretanto, considerando que a prisão cautelar de um ex-Presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação. Assim, poderá o ex-Presidente apresentar a sua apelação em liberdade", acrescenta Moro.

Lula, que enfrenta outros quatro processos, sempre negou categoricamente as acusações e as atribuiu a uma conspiração para impedir sua candidatura à presidência de 2018.

Para que sua candidatura seja impedida, deverá ainda ser condenado em segunda instância.

Um processo de apelação pode levar até um ano para ser concluído, segundo fontes próximas ao Judiciário de Curitiba.

Na sentença, Moro também proibiu Lula de exercer cargos públicos por 19 anos, decisão que poderá ser confirmada ou rejeitada na segunda instância.

- Lula, "sereno", mas "indignado" -

Lula se mostrou "sereno" depois de receber a notícia, embora tenha sentido "uma indignação natural", disse à AFP um de seus advogados, Cristiano Zanin Martins.

"Eu tive uma conversa muito rápida com o ex-presidente Lula e ele está bastante sereno, mas, como qualquer pessoa que é condenada sem provas, que é condenada a despeito de ter feito a prova da sua inocência, existe uma indignação natural".

A direção do Partido dos Trabalhadores afirmou em um comunicado que a condenação de seu co-fundador "representa um ataque à democracia e à Constituição Federal".

O PT relaciona a sentença com uma ofensiva destinada a suprimir direitos sociais, um dia depois da aprovação da reforma trabalhista.

"Queremos fazer manifestações de protesto em todo o pais contra essa decisão política fora completamente do processo legal que foi tomada contra o presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro", disse o líder do PT na Câmara dos Deputados, Carlos Zarattini. "Vamos para as ruas".

Centenas de pessoas foram à Avenida Paulista para expressar apoio ao ex-presidente. A poucos quarteirões, em frente à sede da Fiesp, cerca de vinte pessoas comemoravam a sentença, com gritos de "Viva Sérgio Moro!".

A polêmica tomou as redes sociais. No Twitter, Lula chegou a liderar o 'trending topic' mundial.

"Lula, ladrão, roubou meu coração", escreveram em tom de brincadeira centenas de seguidores do ex-presidente.

"A justiça foi feita. O maior cara de pau do Brasil foi condenado", celebrou o prefeito de São Paulo, João Doria, cotado como possível candidato nas próximas eleições.

Os mercados também festejaram: a Bolsa de São Paulo subiu 1,57% e o real se valorizou em relação ao dólar.

A sentença foi vista pelos investidores "como a possibilidade de que o PT não volte a governar em 2018, e isso lhes dá grande segurança", Raimundo Magliano Neto, analista da Magliano Corretora.

- Temer na mira -

A Lava Jato também ameaça o presidente Michel Temer, acusado de ter negociado o recebimento de propinas do grupo JBS e investigado por suposta tentativa de comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, agora preso.

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados discute nesta quarta um relatório que recomenda encaminhar ao Supremo Tribunal Federal (STF) a denúncia de corrupção passiva apresentada contra Temer pela Procuradoria-Geral da República.

Em seguida, o caso deverá ser submetido ao voto do plenário e, se chegar ao STF e a corte abrir um processo formal, Temer será suspenso de seu cargo em um máximo de 180 dias, à espera de uma decisão.

Rui sanciona lei que institui meia-passagem estudantil no metrô

Postado dia 06 de Julho de 2017 às 08h05m

BNews

Delações de Cunha e Funaro estão na reta final e devem piorar vida de Temer

Postado dia 06 de Julho de 2017 às 07h51m

BNews

Histórico de Conteúdo

Enquete

Você é a favor da Redução da Maioridade Penal para 16 anos?

Resultado

©2013 Elite Estratégias Políticas - Todos os direitos reservados