Salvador, 22 de Setembro de 2018 - Tel: (71) 2104-1959

Newsletter

Cadastre seu email para receber novidade por email.

Nome:

Email:

Fotos e Vídeos



Facebook

Noticias

Haddad vira alvo dos rivais em debate presidencial

Postado dia 21 de Setembro de 2018 às 08h02m

Com a ausência de Jair Bolsonaro (PSL), o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, foi o alvo principal dos adversários durante o debate presidencial realizado na noite desta quinta-feira (20), pela TV Aparecida, na cidade do interior paulista. Estreante num encontro entre os presidenciáveis, Haddad foi questionado sobre denúncias de corrupção envolvendo petistas e a crise econômica originada no governo da presidente cassada Dilma Rousseff.

Haddad assumiu a candidatura presidencial do PT somente no dia 11 deste mês, em substituição a Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato e barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Conforme as mais recentes pesquisas, ele está em segundo lugar nas intenções de voto, atrás do líder Bolsonaro – o candidato do PSL permanece internado se recuperando de uma facada.

O debate desta quinta-feira, promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no Santuário Nacional de Aparecida, também foi marcado pelo primeiro confronto direto entre Haddad e o tucano Geraldo Alckmin. O petista questionou Alckmin sobre sua posição em relação à reforma trabalhista e a emenda do Teto dos Gastos, aprovada no governo Michel Temer, com apoio do PSDB.

O ex-governador aproveitou a deixa para responsabilizar Dilma tanto pela crise econômica que gerou 13 milhões de desempregados quanto pelo fato de Temer ser o presidente. “Não precisaria a PEC do teto se não fosse o vale-tudo do PT que não tem limites para ganhar a eleição. São 13 milhões de desempregados, herança da Dilma e do PT. Quebraram o Brasil. O petrolão foi o maior escândalo do mundo”, disse Alckmin.

O petista disse que, se eleito, vai revogar a reforma trabalhista e o teto dos gastos e se defendeu citando mais uma vez a entrevista do ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati ao Estado. “Quem se uniu ao Temer para trair a Dilma foi o PSDB. Ele que colocou o Temer com um programa totalmente contrário ao que foi aprovado nas urnas. Tasso Jereissatiassumiu que o PSDB sabotou o governo desde a reeleição”, disse Haddad. 

Henrique Meirelles (MDB), em outro momento, também afirmou que a crise “criada pelo governo da Dilma foi construída pela aplicação do programa do PT”. “Estamos vivendo o momento em que o Brasil saiu do fundo do poço, mas ainda tem milhões de desempregados.” 

Haddad retrucou lembrando que o emedebista foi durante oito anos presidente do Banco Central no governo Lula. “Considero a ingratidão um dos maiores pecados da política.”

tribuna

ANP aprova medidas para retomada da produção de petróleo

Postado dia 21 de Setembro de 2018 às 06h00m

A Agência Nacional do Petróleo, Biocombustíveis e Derivados (ANP) aprovou hoje (20) medidas para incentivar a retomada das atividades terrestres e em águas rasas de produção de petróleo, como resultado de um grupo de trabalho da própria ANP  que determinou a avaliação do nível de investimentos necessários para atenuar a situação atual de queda da produção e de atividades nesses tipo de operação.

As medidas aprovadas pela ANP para incentivar a retomada de atividades nestas duas áreas estão pautadas nas políticas de Energia e Produção, estabelecidas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), incluindo a promoção da maximização do fator de recuperação e o incentivo à competitividade no setor. 

Foram aprovadas quatro medidas. Uma delas determina à Superintendência de Desenvolvimento e Produção a solicitação de prorrogação dos contratos dos campos terrestres e em águas rasas que forem de seu interesse. Outra medida é que, nos casos em que não houver interesse de prorrogação contratual ou aprovação da ANP, ou que for verificada a necessidade de alteração do Plano de Desenvolvimento para realização de investimentos adicionais, a Superintendência de Desenvolvimento e Produção deve tomar medidas administrativas para realização dos investimentos ou devolução das áreas.

Uma terceira medida determina que os procedimentos para devolução das áreas poderão ser suspensos para permitir a alienação destas em tempo razoável, sendo que os processos de alienação já iniciados venham a ser concluídos até o primeiro semestre de 2019 ou sejam objeto de leilão a ser promovido pela Petrobras com apoio da ANP, em até 90 dias após o prazo de solicitação de prorrogação dos campos terrestres e em águas rasas.

A última medida aprovada pela ANP determina que a Superintendência de Defesa da Concorrência e Regulação Econômica, em conjunto com a Superintendência de Desenvolvimento e Produção,  solicite ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que avalie a existência de mercado monopsônio (com um único comprador) na comercialização, em especial na coleta, tratamento e escoamento do petróleo, o que poderia se configurar em barreira para a criação de um mercado diversificado e competitivo na atividade de exploração e produção terrestre e de águas rasas.

tribuna

“Críticas da oposição não estão funcionando”, avalia cientista político

Postado dia 20 de Setembro de 2018 às 08h00m

Por Henrique Brinco

O cientista político Joviniano Neto, também professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), afirmou que a pesquisa Ibope divulgada pela TV Bahia anteontem não trouxe grandes surpresas. Segundo o instituto, o governador Rui Costa (PT) cresceu 10% na comparação com o levantamento do dia 22 de agosto. Se a eleição fosse hoje, de acordo com o Ibope, o chefe do Palácio de Ondina teria 60% dos sufrágios, contra 7% de José Ronaldo (DEM), que na primeira consulta tinha 8%. "Ainda que o Ibope tenha a tradição de erros em pesquisas eleitorais na Bahia, você tem de olhar o resultado, que não representa apenas um momento, mas também a qualidade de metodologia que foi adaptada. A gente trabalha com esses limites. Levando em conta os números e a distância dos números, mostra uma coisa: a primeira delas é o sucesso da campanha de Rui Costa em cima de atividades".

"Também mostra o insucesso da candidatura de Zé Ronaldo, apesar de ele estar fazendo o papel que se espera da oposição, que é mostrar as deficiências nas áreas de saúde, educação e outras", analisa. "Na comparação gestor por gestor, Rui Costa é favorecido por ser o governador e ter mais obras para mostrar [em diversas cidades]". "As críticas ao que o governo deixou de fazer não estão funcionando muito bem. Ou por causa do que o governador conseguiu passar uma imagem de operante ou também conseguiu uma coisa fundamental em qualquer campanha, levando em consideração que o eleitor não vota só pensando no passado - mas também pensando no futuro. Isso em relação a governador", analisa.

A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram ouvidos 1.008 pessoas de 15 a 17 de setembro. O registro no TRE  tem o número 01723/2018. Já o registro no TSE é de 03445/2018. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. Foram entrevistados 1008 eleitores entre ontem e hoje. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos.

"Lázaro aparece mais como o povão"

O professor afirma ainda que "a pesquisa mais esperada era a do Ibope para o Senado" por causa da incerteza nos cenários. "Essa pesquisa mostra, a partir dos dados que tem, que Jutahy Magalhães Júnior tinha razão quando lutou para impedir que Lázaro fosse candidato. Ele está despontando como um candidato forte, viável, e é por isso que já vinha recebendo uma série de ataques para tentar desconstruir a imagem dele. Isso interessa tanto a ele, quanto a Jutahy", analisa.

"O esforço que a campanha de Zé Ronaldo está fazendo para apresentar Jutahy como candidato preferencial de Neto não está funcionando muito. Lázaro aparece mais como o povão e o Jutahy, como uma pessoa da política tradicional. Nós vamos ver uma disputa grande pelo segundo lugar na chapa de senador", completa.

Joviniano também desacredita em uma virada eleitoral a essa altura do campeonato, mesmo com o otimismo aparente do grupo democrata. "Nesse quadro sempre foi difícil, desde o período de pré-campanha. O que não se esperava era um desempenho tão fraco do candidato do DEM". 

TRIBUNA

Ibope: Alckmin perde até em SP; Bolsonaro lidera

Postado dia 20 de Setembro de 2018 às 03h17m

Pesquisa do Ibope revelada ontem à noite pela Globonews, mostrou o drama que envolve o candidato tucano Geraldo Alckmin nestas eleições. Enquanto Jair Bolsonaro cresceu para 30% em São Paulo, o ex-governador caiu de 15 para 13%, já Fernando Haddad ficou também com 13%, Ciro Gomes com 8% e Marina Silva com 6%. Os números surpreenderam pelo fato de Alckmin ser ex-governador do Estado e Haddad ex-prefeito da cidade de São Paulo. Para analistas, o candidato tucano paga um preço por ter colocado dois palanques em SP: com o candidatos a governador João Dória e Márcio França. Também foi ressaltada a saída de Alckmin para fazer campanha em outros estados, descuidando-se da maior unidade da federação. Quanto ao Fernando Haddad a expectativa é de que ainda há votos de Lula a serem absorvidos, como foi registrado na pesquisa nacional do DataFolha . Diferentemente, Jair Bolsonaro cresceu de 23 para 30%, acumulando votos das classes mais escolarizadas e de maior poder aquisitivo.

TRIBUNA

Políticos baianos rejeitam aliança com o PT no segundo turno

Postado dia 19 de Setembro de 2018 às 07h59m

Por Henrique Brinco

Na Bahia, vários políticos baianos rejeitam fazer aliança com o PT em um eventual segundo turno entre a agremiação e Jair Bolsonaro (PSL). No DEM, por exemplo, uma das principais vozes é a do presidente estadual do partido, José Carlos Aleluia. No período de pré-campanha, antes de definir o apoio a Alckmin, o deputado federal era contra qualquer aliança com a esquerda e, inclusive, demonstrava certo "flerte" com a campanha do presidenciável do PSL. O tucano Jutahy Magalhães (PSDB), que já chegou a apoiar o PT e outras ocasiões na história da política baiana, afirma que seguirá apoiando Alckmin até o fim. "Meu trabalho até o dia 7 de outubro é com Geraldo Alckmin. Trabalharei para ele ir ao segundo turno. A única opção que eu trato é Geraldo no segundo turno. Até o dia 7 de outubro, esse é o único projeto".

Benito Gama, presidente do PTB na Bahia, é outro que deve defender o apoio a Bolsonaro. "O PTB está hoje com Alckmin, se ele não for para o segundo turno, nós vamos nos posicionar, naturalmente a executiva ainda vai se reunir, mas a tendência é sempre contra o PT, pela história do PT no Brasil", explicou. O presidente nacional do Democratas e prefeito de Salvador, ACM Neto convocou líderes do "centrão" para uma reunião de emergência ontem em São Paulo, segundo o jornal Estado de São Paulo. Há rumores de que parte do grupo defende abandonar a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) para apoiar um adversário, como Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT) ou Jair Bolsonaro (PSL).

O ex-governador de São Paulo não consegue decolar nas pesquisas de intenção de votos e já tem gente querendo pular fora do barco. Os tucanos estão claramente divididos. A ala de esquerda quer ir para Ciro ou Haddad. No último domingo, inclusive, o presidenciável petista sinalizou uma possível aliança com os tucanos no futuro. Já os mais alinhados com a direita defendem a ideia de migrar para a base de Bolsonaro, já que Alckmin compete justamente nesse campo. Indagado pela Tribuna, Neto descartou a possibilidade de Alckmin não ir ao segundo turno. "Olha, não quero nem cogitar esse cenário. Estou muito confiante de que Alckmin vai para o segundo turno. Então, o nosso trabalho é para Alckmin ir ao segundo turno", assegurou. Sobre as reuniões, ele nega que sejam para tratar de supostas divisões na base.

Neto demonstra confiança no 2º turno

"Estamos fazendo muitas reuniões. Vocês viram a forma contundente como eu pedi votos para ele [no evento com mobilizadores da campanha de José Ronaldo, na segunda-feira]. Vamos fazer o maior evento da campanha na próxima sexta-feira, com a presença dele [Alckmin]. Estou absolutamente envolvido de corpo e alma. Tenho conversado com toda a equipe dele", esclareceu.

"Faremos uma reunião ainda essa semana com os presidentes de partido que ainda integram a coligação dele. Eleição só se resolve no dia 7 de outubro. Não dá para ficar impressionado ou assustado em função de pesquisas políticas que a gente sabe que mudam muito rapidamente", completou.

Na ocasião, ele também reafirmou a união da base do tucano. "Não sei o que vocês chamam de centrão. Não me considero centrão. Sou presidente dos Democratas e ajudei a fazer a articulação com os outros partidos políticos. Posso lhe assegurar que os partidos políticos que declararam apoio a Alckmin continuarão ao lado dele até o fim. Nós vamos ao segundo turno com ele".

TRIBUNA

Rui Costa permanece líder em nova pesquisa

Postado dia 19 de Setembro de 2018 às 07h50m

Por Rodrigo Daniel Silva

O governador e candidato à reeleição Rui Costa (PT) não só manteve a liderança na nova pesquisa Ibope divulgada ontem como também cresceu nas intenções de voto. Segundo o instituto, o petista baiano cresceu 10% na comparação com o levantamento do dia 22 de agosto. Se a eleição fosse hoje, de acordo com o Ibope, o chefe do Palácio de Ondina teria 60% dos sufrágios contra 7% de José Ronaldo (DEM), que na primeira consulta tinha 8%. O candidato do PRTB, João Henrique, também teve uma queda. Em agosto, ele tinha 3% e agora tem 2%. Do PSOL, Marcos Mendes caiu de 2% para 1%. Já os postulantes João Santana (MDB), Célia Sacramento (Rede) e Orlando Andrade (PCO) permaneceram com 1%. 

A pesquisa, que foi realizada entre os dias 15 a 17 de setembro, aponta ainda a redução do número de votos brancos e nulos de 22% para 17%. Já não sabe ou não respondeu de 12% para 10%. O levantamento foi encomendado pela TV Bahia e ouviu 1.008 eleitores entre 15 a 17 de setembro. A margem de erro é de 3% e o nível de confiança utilizado é de 95%. Presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, comemorou o resultado. "[O resultado] é o que a gente já vinha monitorando nas caravanas que Rui tem feito pelo Estado. É fruto de um trabalho que ele vem executando com competência, com um olhar para todo o Estado. E com políticas que olham as pessoas. Do ponto de vista político, é fruto da unidade que ele conseguiu manter junto de [Jaques] Wagner e os demais partidos", disse.

Já o presidente do DEM no estado, o deputado federal José Carlos Aleluia, disse que vai à Justiça Eleitoral contra o Ibope. Segundo ele, números de pesquisas internas realizadas pelo partido são completamente divergentes do instituto, “que vem errando historicamente nas avaliações realizadas no estado da Bahia”. “Estamos vendo a insatisfação nos olhos da população em todos os municípios por onde passamos. Por isso, é muito estranho esse resultado”, pontuou.

A consulta também perguntou em quais candidatos o eleitor não votaria de jeito nenhum. Segundo o Ibope, o ex-prefeito de Salvador, João Henrique, lidera com 33%. Na primeira pesquisa, o índice era 29%. José Ronaldo subiu a rejeição de 18% para 24%. Já o governador caiu de 19% para 13%.  João Santana apareceu com 21% e depois Célia Sacramento com 20%. Marcos Mendes (PSOL) tem 18% e Orlando Andrade 15%. A pesquisa aponta que 9% dos entrevistados não rejeitam nenhum nome e 22% não souberam ou não responderam.

Coronel ultrapassa Jutahy na disputa pelo Senado

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Angelo Coronel (PSD), ultrapassou o deputado federal Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) na disputa pelo Senado. O chefe da AL-BA agora está em terceiro lugar com 15% contra 11% do tucano. No primeiro levantamento em agosto, o pessedista tinha 7% e o parlamentar 14%.

O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), manteve a liderança e subiu de 34% para 41% das intenções de votos. Já o deputado federal Irmão Lázaro (PSC) caiu de 23% para 22%.  Jorge Viana (MDB) e Fábio Nogueira (PSOL) têm 4%. Marcos Maurício (DC) e Comandante Rangel (3%). Francisco José (Rede) e Adroaldo dos Santos (PSOL) aparecem com 1% cada. Celsinho Cotrim não pontuou. 

Brancos e nulos para a primeira vaga somam 21%, já para segunda são 32%. Não sabe ou não respondeu 41%. O levantamento, que foi realizado entre os dias 15 a 17 de setembro, foi encomendado pela TV Bahia e ouviu 1.008 eleitores entre 15 a 17 de setembro. A margem de erro é de 3% e o nível de confiança utilizado é de 95%. 

TRIBUNA

Em evento pró-Zé Ronaldo, Neto mantém confiança em Alckmin

Postado dia 18 de Setembro de 2018 às 08h05m

Por Rodrigo Daniel Silva

Embora as pesquisas apontem que o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) não vai para o segundo turno, o presidente nacional do Democratas e prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), mantém a confiança na candidatura do correligionário tucano. Durante discurso em um evento da candidatura de José Ronaldo (DEM) no Hotel Fiesta em Salvador, Neto admitiu que teve “muita dúvida” se apoiava o ex-governador de São Paulo na empreitada ao Palácio do Planalto, já que o tucano não estava “entre os favoritos”.

“Mas aí eu parei e pensei: Quem são os candidatos a presidente? Quem está disputando essa eleição hoje no Brasil? O que eles podem fazer? Eu pensei no futuro do país. Não apenas para a geração das minhas duas filhas, porque não é justo que a gente seja obrigado a esperar tanto tempo. Foi exatamente por isso que conclui que hoje no Brasil a questão não é escolher quem é o melhor candidato. A verdade é que existe apenas um só candidato em condições de pacificar o a país e evitar que a crise que se abateu desde 2014”, afirmou.

Neto lembrou que, no pleito de 2014, Aécio Neves (PSDB) estava em terceiro lugar e conseguiu chegar ao segundo turno nas duas últimas semanas de campanha. Naquela ocasião, as pesquisas apontavam uma briga entre Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (na época PSB hoje Rede) na segunda etapa da eleição.  “Não existe essa coisa de que está fora do jogo. [...] Uma eleição que mudou tantas vezes ainda vai mudar. Escrevam o que estou dizendo. Ainda vai mudar e precisa mudar porque acredito no senso de responsabilidade do povo brasileiro”, pontuou.

ACM Neto disse que, se Alckmin for eleito, a Bahia terá um “prestígio” que nunca teve com outro presidente. “Quem assegura isso, sou eu. [...] Ele hoje respeita o nosso grupo. Reconhece a nossa posição. Por isso, eu digo que nem sempre a gente deve escolher o caminho mais fácil, porque, se caminho mais fácil não for o correto, não vale a pena a luta da caminhada”, ressaltou.

TRIBUNA

Rui e Haddad defendem diálogo com o PSDB

Postado dia 18 de Setembro de 2018 às 07h56m

Por Henrique Brinco

A eleição de 2018 pode trazer uma novidade inusitada: PT e PSDB podem se aliar num eventual segundo turno contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Pelo menos é o que defenderam os candidatos petistas Rui Costa e Fernando Haddad. O candidato à Presidência, que já ocupa o segundo lugar nas intenções de votos, fez gestos de acenos aos tucanos no último fim de semana.

Segundo o jornal "O Globo", Haddad disse que considera possível um diálogo com o PSDB depois das eleições e com aqueles que fizeram uma autocrítica em relação ao apoio do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e a participação no governo do presidente Michel Temer (MDB). “Tem muitas pessoas que apoiaram o golpe de 2016 e estão revendo sua posição. O próprio PSDB já fez uma autocrítica. Isso é muito importante porque constrói possibilidades de diálogo depois das eleições”, avaliou. 

O candidato petista também citou a entrevista do senador Tasso Jereissati (PSDB) jornal "O Estado de São Paulo", quando o tucano admitiu que foi um erro o partido ter feito parte do governo Temer. “Todo mundo que tiver fazendo uma autocrítica nós precisamos ouvir. Porque é um momento de ajuste de contas, de um acerto de contas do que aconteceu no país nos últimos quatro anos”, disse. Já o governador Rui Costa também concordou com a declaração de Haddad ao defender a possibilidade. Em entrevista ao "Aratu Online", o petista disse que o Brasil precisa se unir contra tudo o que pregue o ódio. “Sou contra reproduzir até o que já fizemos. Não podemos fazer acordo só em cima de cargos”. 

Procurado pela Tribuna, o presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, afirmou que há diálogo com os tucanos desde que eles concordem em um programa de governo. "Nós não vamos rechaçar o apoio. Nós vamos tratar de conteúdo. Se o PSDB apoiar topar apoiar um programa de distribuição de renda e vá na política social, toparemos", afirmou.

Rui critica ideias sobre liberação de armas

Em entrevista ao programa "Que Venha o Povo", da TV Aratu, Rui destacou as reduções sucessivas nos índices relacionados a mortes violentas, explicando como a metodologia aplicada aos dados do Atlas da Violência gera uma visão equivocada do ranking.

Exemplificou que, enquanto em estados como São Paulo um corpo encontrado com perfuração ou fratura no crânio, causada por uma barra de ferro, é notificado como “morte a investigar”, na Bahia é registrado como homicídio. “Gera uma comparação incorreta, já que usamos uma metodologia mais fiel à realidade, e a Bahia registra progressiva diminuição dos índices de mortes violentas, resultado do trabalho integrado das polícias militar, civil e técnica”, garantiu.

Questionado sobre a possibilidade da liberação de armas como recurso de defesa do cidadão, Rui foi enfático na negativa. “Seria uma carnificina. Com tantos problemas sociais que temos, ainda somado ao tráfico de drogas, a liberação de armas geraria uma carnificina”, alertou, para em seguida criticar a legislação que “favorece a bandidagem”. 

TRIBUNA

Ciro Gomes se coloca como terceira via à polarização Candidato do PDT fez críti

Postado dia 17 de Setembro de 2018 às 08h26m

Durante a "Caminhada pela Paz", evento realizado ontem o parque do Ibiraquera, em São Paulo, que reuniu eleitores do candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT), o ex-ministro afirmou que o brasileiro "não quer e não merece" um segundo turno para ter que decidir entre um "fascista", se referindo a Jair Bolsonaro (PSL), e "as enormes contradições do PT", do candidato Fernando Haddad. Ciro afirmou que o PT não pensa no Brasil há anos e só quer se perpetuar no poder. Por isso fez alianças com o deputado Eduardo Cunha e os senadores Eunício Oliveira e Renan Calheiros, todos do MDB. "O PT está fazendo isso de novo, não aprendeu nada." Ao ser questionado sobre as razões de seu irmão, Cid Gomes, estar apoiando Eunício no Ceará, Ciro disse que a pergunta teria que ser feita para seu irmão. "Eu sou contra o Eunício Oliveira e ele vota no Haddad."

"Quero unir o Brasil que produz e trabalha" disse Ciro Gomes, falando que sua candidatura é uma alternativa para a "polarização odienta" que tomou conta do País. Sobre o crescimento de Haddad nas pesquisas, o candidato do PDT afirmou que eleição tem essas reviravoltas e é preciso ter calma. "Até a reta final, ainda haverá muitos momentos de emoção e viradas", disse ele. "Mas acredito em final feliz." Em rápido discurso no evento, Ciro disse que o eleitor não deve se guiar por pesquisas de intenção de voto e se pautar pela responsabilidade. Ciro também negou estar envolvido em escândalos de corrupção ou outras irregularidades. "Quero lembrar ao meu querido amigo (Fernando) Haddad que tem muita gente que não é investigada por corrupção no Brasil. Eu, Ciro Gomes, não sou investigado".

O candidato do PDT declarou que "desafia qualquer pessoa a mostrar qualquer envolvimento meu em qualquer irregularidade, nem que seja para ser absolvido", ao responder sobre notícia do jornal O Globo de que estaria em delação da Galvão Engenharia protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF). Perguntado sobre essa delação, o presidenciável disse que ficou sabendo dela hoje pela imprensa. "Não há a menor probabilidade, nenhuma chance de meu nome estar envolvido em qualquer tipo de irregularidade", disse ele. Ciro disse que seus adversários Haddad e Geraldo Alckmin (PSDB) é que respondem por denúncias de corrupção. "Eu não respondo por nenhuma acusação. Não vamos misturar alhos com bugalhos, porque é isso que interessa aos fascistas do Brasil, pegar as pessoas e jogar tudo na vala comum."

TRIBUNA

Rui encerra mais uma caravana e completa 92 cidades visitadas

Postado dia 17 de Setembro de 2018 às 08h23m

Da redação

“Vamos continuar com o Programa Água para Todos até todas as comunidades terem água potável pra beber, além de redes de esgoto e estações de tratamento. Infraestrutura hídrica e saneamento são nossas prioridades, isso significa cuidar das pessoas. Foi o programa baiano, iniciado por Wagner em 2007, que serviu de exemplo para o que hoje é feito no âmbito federal”. O compromisso foi reiterado pelo governador Rui Costa, candidato petista à reeleição, na manhã de ontem, ao visitar o município de Ipiaú, terceira das sete cidades incluídas no último dia da quinta etapa da Correria da Bahia. Até o fim da campanha, Rui quer visitar pelo menos 120 cidades. Hoje completa 92.

O compromisso anunciado por Rui na caravana consta no Programa de Governo Participativo (PGP 2018), registrado no TRE-BA. A ampliação do atendimento das comunidades por sistemas integrados de abastecimento de água, que oferecem distribuição domiciliar, estação de tratamento e atendem várias localidades a partir de um mesmo manancial contempla Ipiaú e outros municípios da região como Anagé, Barra, Boninal, Brejões, Buritirama, Cairu,  Camamu,  Encruzilhada, Erico Cardoso,  Juazeiro, Ituaçu, Jussiape,  Miguel Calmon,  Planaltino,  Rio de Contas, Rio do Pires, Santa Maria Vitória. Atende 168 localidades, beneficiando 56,6 mil pessoas.

Também a elevação do atendimento com serviços de esgotamento sanitário é prioridade para o próximo quadriênio, com implantação e ampliação de sistemas de esgotamento sanitário em 35 municípios baianos. Ainda, entre os compromissos que beneficiarão a população das cidades visitadas hoje – além de Ipiaú, Jitaúna, Aiquara (Povoado Palmeirinha), Barra do Rocha, Ubatã, Ubaitaba e Aurelino Real, dos territórios Médio Rio de Contas e Litoral Sul -, ações na educação, segurança e esporte.

No esporte, duas das cidades incluídas no percurso de hoje, Ubatã e Ubaitaba, integram o Centro de Treinamento para Canoagem. O espaço é estruturado em três municípios (terceiro é Itacaré), nas margens do Rio de Contas, local onde os medalhistas olímpicos Isaquias Queiroz e Erlon de Souza deram suas primeiras remadas. O investimento nos três pontos do centro soma R$3 milhões. Mas a gestão atual também apoia a canoagem na execução do projeto Remando no Rio de Contas, que até dezembro de 2018 vai atender 270 crianças e jovens com aulas de iniciação esportiva, preferencialmente alunos de escolas públicas e organizações de ensino que possuam baixos Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e que estejam em situação de risco social.

TRIBUNA

Histórico de Conteúdo

Enquete

Você é a favor da Redução da Maioridade Penal para 16 anos?

Resultado

©2013 Elite Estratégias Políticas - Todos os direitos reservados