Salvador, 18 de Agosto de 2019 - Tel: (71) 2104-1959

Newsletter

Cadastre seu email para receber novidade por email.

Nome:

Email:

Fotos e Vídeos



Facebook

Home » Notícias » Dependência da China foi principal tema de jantar de Bolsonaro nos EUA

Dependência da China foi principal tema de jantar de Bolsonaro nos EUA

Postado dia 18 de Março de 2019 às 10h20m

A ameaça estratégica representada pela China e a necessidade de reduzir a codependência com o gigante asiático foi um dos principais assuntos do jantar para o presidente Jair Bolsonaro na residência do embaixador do Brasil em Washington.

Segundo a reportagem apurou, o ex-estrategista de Donald Trump, Steve Bannon, discorreu longamente sobre a necessidade de reduzir a "co-dependência" da China e como administrar a relação com Pequim de modo a proteger os interesses nacionais brasileiros.

Uma das ideias abraçadas por uma ala do governo é uma cooperação entre Brasil e EUA para se coordenar em produção agrícola e ganhar alavancagem em seu poder de negociação com o mundo.

O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, e o ideólogo do bolsonarismo, Olavo de Carvalho, são dois dos maiores defensores de uma redução de exposição à China.

Já a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, está em sintonia com as queixas dos produtores agrícolas e organiza uma missão para a China no início de maio, com o objetivo de aumentar o número de estabelecimentos que podem exportar carne bovina, suína e frango para os chineses, além de aumentar a pauta exportadora para o país.

No jantar, Tereza ressaltou a importância das exportações agrícolas do Brasil para a China -o país asiático absorve cerca de 35% das vendas externas de produtos agrícolas do Brasil. O embaixador Sergio Amaral foi na mesma linha.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, ouviu atento às observações de Bannon e teria concordado em parte. Bannon teria dito que os chineses veem o Brasil da mesma forma que enxergam a Austrália e que o país está se tornando muito vulnerável à Pequim.

Esses temores estão em linha com as preocupações do governo americano sobre a expansão chinesa e o avanço tecnológico do país, principalmente com a Huawei na rede 5G -além dos problemas de segurança e da possibilidade de espionagem.

Autoridades americanas vêm falando com o governo brasileiro sobre isso. Bannon também abordou a falta de liberdade religiosa na China e o programa de investimentos chinês Belt and Road. As grandes prioridades da política externa brasileira no momento, na visão da cúpula do Itamaraty e de olavistas, seriam a entrada na OCDE, o clube dos países ricos; ganhar o status de membro afiliado da OTAN e evitar uma relação co-dependente da China.

O entendimento é que, a longo prazo, seria mais inteligente uma maior aproximação com Coreia do Sul e Japão do que com Pequim. Produtores agrícolas vinham se queixando da posição anti-China do Itamaraty, após o chanceler Ernesto Araújo afirmar que o Brasil não vai vender sua alma para exportar minério de ferro e soja e questionar se a relação com o país é benéfica para o Brasil.

Fonte: Bahia Notícias.

Compartilhar

Histórico de Conteúdo

Enquete

Você é a favor da Redução da Maioridade Penal para 16 anos?

Resultado

©2013 Elite Estratégias Políticas - Todos os direitos reservados